Wellington Marques

Wellington Marques

(88) 9.9989.4965

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio determinou ontem (5) o arquivamento de um inquérito aberto em 2004 contra o senador Romero Jucá (MDB-RR). O pedido de arquivamento foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em função da prescrição da pretensão punitiva.

O inquérito apurava o envolvimento do senador em um suposto esquema de desvios de recursos oriundos de emendas parlamentares para o município de Cantá (RR) em troca de vantagens indevidas, entre 1999 e 2001.

Ao solicitar o arquivamento, a PGR afirmou que os dados colhidos durante as investigações foram insuficientes para "colher elementos indicativos ou comprobatórios" da prática de delitos". Para a procuradoria, a prescrição da pretensão punitiva ocorreu em 2017, 16 anos após a data dos supostos crimes.

Agencia Brasil

A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) afirmou nesta segunda-feira (5) que é vítima de um julgamento político e pediu à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, celeridade na análise dos questionamentos jurídicos que têm sido feitos à sua nomeação para o Ministério do Trabalho. Em nota à imprensa, a deputada disse que sofre "campanha difamatória" e que vai continuar se esforçando para provar que não cometeu "nenhuma ilicitude".

Há duas semanas, Cármen Lúcia acolheu, em regime de plantão do Judiciário, um pedido para que a posse de Cristiane Brasil não ocorresse, mesmo após autorização do Superior Tribunal de Justiça. A ministra deferiu parcialmente a liminar, suspendendo a investidura no cargo, até que novas informações sejam coletadas.

"Não devo mais nada à Justiça Trabalhista. Estou sendo julgada política [politicamente], e não juridicamente. Tenho a ficha limpa. Mas, infelizmente, o meu julgamento superou essa esfera. Preciso que o STF decida essa questão, para que eu possa seguir minha vida política", pediu a deputada.

Indicada pelo presidente Michel Temer há pouco mais de um mês para o cargo, Cristiane Brasil não tomou posse até hoje devido a uma série de decisões liminares, da primeira e segunda instâncias. O Judiciário foi provocado por uma ação popular de três advogados que questionam se Cristiane Brasil tem moral para assumir o ministério após ter sido condenada pela Justiça do Trabalho devido a impasses com um funcionário.

Por meio do Twitter, o pai da deputada, Roberto Jefferson, que é o presidente do PTB, disse que a posse de Cristiane é legítima. "Por que destruir a vida política promissora de uma pessoa dedicada em tudo que faz e que está preparada para exercer o cargo de ministra?", escreveu Jefferson, durante o fim de semana.

Nesta segunda-feira (5), Jefferson compartilhou uma reportagem em que a maioria dos deputados petebistas afirmam que o Palácio do Planalto tem de insistir na posse. Mais cedo, o secretário de Governo, ministro Carlos Marun, reafirmou que o governo não vai recuar da disposição de defender a nomeação de Cristiane Brasil para o posto.

Agencia Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou hoje (5) que concorda com o relator da reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), segundo o qual a proposta precisa ser apreciada em fevereiro e que o adiamento do prazo pode acabar com a expectativa de aprovação do texto ainda neste ano. Nesta tarde, após participar de reunião com governadores, Maia defendeu a discussão de outros temas, entre eles a segurança e formas de resolver os problemas fiscais dos estados.

“Se a gente ampliar prazo, não vota nada. Então, o prazo é fevereiro, e ponto final. Eu acho que tem tempo. Todo mundo tem clareza do seu problema fiscal, todos os governadores. Os parlamentares também têm clareza da necessidade da reforma, com todas as dificuldades”, disse o presidente da Câmara, depois da sessão solene de início dos trabalhos legislativos.

Segundo o presidente da Câmara, a semana posterior ao Carnaval será o período da “solução”. Enviada pelo governo, a proposta de emenda à Constituição (PEC) está prevista para ser lida em plenário a partir do dia 19, quando o relator Arthur Maia acredita que os parlamentares já estarão esclarecidos sobre o conteúdo do texto. Mais cedo, Rodrigo Maia havia negado a intenção de retirar a proposta de pauta antes deste prazo.

“Vamos construir a solução a partir do dia 19, 20. Em relação a isso, estou otimista: a gente vai conseguir uma solução. A gente vai trazer os governadores para resolver com eles a questão da Previdência dos estados”, acrescentou o parlamentar. Segundo Rodrigo Maia, na reunião, os governadores falaram sobre  a possibilidade de criação de um fundo como forma de ajudar a garantir o equilíbrio fiscal nas contas dos estados.

“A proposta é deles, a ideia é tentar pensar, nas próximas semanas, em algumas soluções para que melhore a questão fiscal dos estados e da União”, disse Maia. “Eu respondi aos governadores que tínhamos que pensar soluções em algumas áreas que pudessem garantir temas com alguma convergência. A previdência da União e a dos estados estão dentro desses temas.”

De acordo com Maia, a proposta discutida com os governadores não dependeria de alterações na Constituição, conforme prevê o texto da PEC em discussão na Câmara. As mudanças serviriam como complemento para a proposta do governo. “Não adianta mais ficar organizando apenas soluções de curto prazo para o fluxo de caixa dos estados. Não ter mais [recursos da] repatriação [de ativos no exterior], PEC do Precatório etc. As alternativas para garantir fechamento do caixa estados e municípios estão acabando.”

A ideia de criação do fundo veio a público no dia 1º, após reunião de Maia com o economista Raul Velloso na residência oficial da presidência da Câmara. Segundo Rodrigo Maia, a ideia é aglutinar o apoio dos governadores em torno de um fundo de previdência complementar para os servidores estaduais, semelhante ao que já existe para o funcionalismo federal.

Regulamentado em 2013, o fundo é administrado pela Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp), criada durante o governo Lula (2003-2011). O objetivo do fundo é servir como uma previdência complementar. “O fundo vai na linha de tentar construir uma solução, ainda está sendo elaborado pelos técnicos, pelo Raul Velloso, que faz consultoria para os governadores, junto com técnicos da Câmara. Tem o tema da segurança pública, algumas questões que também interessam aos governadores”, concluiu Maia.

Agencia Brasil

Para combater o crime organizado, os policiais militares de Sobral receberão indenização por reforço ao serviço operacional com base em convênio firmado entre secretaria de Segurança Pública e prefeitura de Sobral.

Os agentes poderão servir a sociedade durante o período de folga e atuarão principalmente em blitz com foco na apreensão de armas de fogo e drogas.

Com isso, a prefeitura de Sobral e Secretaria de Segurança esperam melhorar consideravelmente a sensação de segurança da população e ajudar no combate ao crime organizado na região. Além disso, a indenização por reforço ao serviço operacional serve como incentivo a mais ao policial militar que também será premiado de acordo com a apreensão.

Críticos da área da segurança dizem que está ação por parte da prefeitura de Sobral e a Secretaria de Segurança Pública do Ceará foi bastante positiva, pelo menos por dois aspectos importantes: o primeiro, que irá proporcionar mais segurança ao Município e o outro aspecto é que essa medida irá trazer aos militares um trabalho extra legal, tendo em vista que, vários militares em todo o Estado, acabam exercendo atividades de segurança privada.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, nos últimos cinco anos mais de 32 mil armas de fogo foram apreendidas no Ceará. Esse número é também um reflexo da violência no estado do Ceará.

 

A Prefeitura de Sobral, por meio da Secretaria do Orçamento e Finanças (Sefin), em parceria com a Secretaria das Cidades do Governo do Estado, está realizando a atualização das informações dos imóveis da cidade e dos distritos de Aracatiaçu, Jaibaras e Taperuaba, com o objetivo de mapear e conhecer de forma mais apropriada todos os pontos da cidade. No período de 5 a 16 de fevereiro, equipes da empresa Topocart estarão realizando o cadastramento no Centro, Cidade Pedro Mendes Carneiro e Cohab II.

Os cadastradores realizam visitas de segunda a sábado, das 8h às 18h, estando sempre identificados com crachás e coletes na cor amarela. O recadastramento é muito importante, pois permitirá atualizar a numeração dos imóveis, identificar e delimitar as áreas de risco, mapear os postes de iluminação pública, além de permitir um cadastramento da infraestrutura dos logradouros, inclusive pavimentação, rede de esgoto e coleta de lixo, entre outros benefícios. 

Para o sucesso do levantamento, é muito importante a colaboração dos cidadãos de Sobral.

Blog de Sobral

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) ainda não conseguiu tomar posse no Ministério do Trabalho por conta de ações movidas contra ela na Justiça do Trabalho. No final de janeiro, a deputada gravou um vídeo em um barco com amigos, em que aparece rebatendo acusações de ex-funcionários.

O vídeo criou mais constrangimentos para Cristiane Brasil, e a onda de críticas acabou trazendo à tona uma outra gravação, ainda mais delicada, do tempo em que Cristiane ocupava a Secretaria Especial do Envelhecimento Saudável e da Qualidade de Vida da Prefeitura do Rio de Janeiro.

O Fantástico teve acesso ao áudio de uma reunião convocada por Cristiane, em 2014. Naquela época, ela estava licenciada da Câmara dos Vereadores para comandar a secretaria e tentava se eleger deputada federal pelo PTB, o mesmo partido do pai, Roberto Jefferson.

Cerca de cinquenta servidores públicos e prestadores de serviço da pasta foram chamados para o encontro com Cristiane. Na gravação, a secretária cobra empenho da equipe para caçar votos.

"Bom dia! Aqui não é uma reunião tensa. É apenas pra gente situar vocês de coisas que não estão no dia a dia de vocês e que vocês precisam entender pra ajudar a gente. Se eu perder a eleição de deputada federal...Eu preciso de setenta mil votos. Eu fiz quase trinta (mil votos). Agora são setenta mil. No dia seguinte, eu perco a secretaria. No outro dia, vocês perdem o emprego. Só tem importância na política quem tem mandato. Só tem mandato quem tem voto. Só tem voto quem tem pessoas como vocês que estão na ponta ajudando a gente pedir e propagar o voto. Do contrário, não funciona", disse a deputada.

 
Gravação mostra Cristiane Brasil cobrando votos de servidores públicos (Foto: Reprodução)Gravação mostra Cristiane Brasil cobrando votos de servidores públicos (Foto: Reprodução)

Gravação mostra Cristiane Brasil cobrando votos de servidores públicos (Foto: Reprodução)

 

A autenticidade do áudio foi comprovada por um perito. "Não foi identificado nada na perícia, na análise técnica, qualquer tipo de corte ou edição nele. A voz de fato é da Cristiane Brasil", avaliou o perito Wanderson Castilho.

Um homem trabalhou para a secretaria entre 2011 e 2014, na gestão de Cristiane Brasil, diz ter participado de reuniões como a exibida pelo Fantástico. Questionado se sentia pressionado a fazer campanha, ele disse que sim.

"O tempo inteiro, direto. Não só eu, como todos os colegas. Eles queriam convencer esse pessoal que tinha o benefício no projeto, que era o da terceira idade".

No áudio, Cristiane ainda dá dicas de como abordar os eleitores: "Eu preciso de uma coisa que está na mão de vocês agora, que é a credibilidade junto ao idoso, é a amizade que eles têm com vocês. É o carinho que eles têm com vocês no dia a dia. Se cada um no âmbito familiar me trouxer 30 fidelizados...'pô, tu é minha mãe. Se tu não votar nela, eu perco o emprego'. Olha que poder de convencimento essa frase tem! Pro marido: 'Meu querido, vai querer pagar minhas calcinhas? Então me ajude!'. Se amanhã vocês ficarem desempregados, como é que vai ser a vida de vocês? Vai ficar um pouquinho mais complicado, não é? "

O Fantástico ouviu três pessoas que participaram da reunião. Elas não quiseram gravar entrevista, mas confirmaram a pressão de Cristiane por votos.

Para o especialista em gestão pública Bruno Brandão, a atitude de Cristiane Brasil é antiética. "Isso, infelizmente, é uma prática extremamente comum, normal no Brasil. Não quer dizer que é uma prática legítima, é uma prática absolutamente prejudicial ao interesse público quando um agente público ou político usa a máquina do Estado pra benefício próprio. O assédio moral é evidente. Além da questão eleitoral, também tem uma questão trabalhista. Você não pode trabalhar sob ameaça de que vai perder o emprego, com esse tipo de linguagem, esse tipo de ameaça", explica o especialista. 

Na mesma gravação, Cristiane pede votos para o deputado estadual Marcus Vinícius, também do PTB. Em 2014, ele tentava se reeleger e estava na reunião.

"O que a gente pede hoje? Acho que a Cris já falou o que tinha que falar. Nós temos dois mil funcionários. Se cada um de vocês conseguir 30 votos, 50 votos, já quase atingiu o objetivo, vai chegar a 150 mil votos", diz Marcus Vinícius.

Cristiane e Marcus foram eleitos em 2014. Ela, para a Câmara dos Deputados, com pouco mais de 80 mil votos. Ele, para a Assembleia Legislativa, com 39 mil votos. 

Suspensão de posse no Ministério do Trabalho 

A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) contestou na quarta-feira (31) no Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão da posse dela como ministra do Trabalho, determinada no último dia 22 pela presidente da Corte, Cármen Lúcia.

Cristiane Brasil foi escolhida pelo presidente Michel Temer no início deste anopara assumir a pasta, mas tem enfrentado uma batalha judicial porque decisões de magistrados têm impedido que ela tome posse.

Primeiro, a Justiça Federal em Niterói (RJ) suspendeu a posse sob o argumento de que Cristiane Brasil não atende ao requisito da moralidade administrativa, previsto na Constituição – a deputada já foi condenada por dívidas trabalhistas.

Após recorrer e perder vários recursos, a Advocacia Geral da União (AGU) decidiu acionar o Superior Tribunal de Justiça (STJ), que liberou a posse. Dois dias depois, contudo, Cármen Lúcia suspendeu novamente. 

Inquérito sobre associação para o tráfico de drogas 

O jornal "O Estado de São Paulo" revelou, no sábado (3), que Cristiane e Marcus são alvos de um inquérito policial por suposta associação ao tráfico de drogas durante a disputa eleitoral de 2010. Naquele ano, o deputado disputava uma cadeira na Assembleia Legislativa, com apoio de Cristiane.

A acusação é de que os dois tenham negociado com traficantes para fazer campanha no bairro de Cavalcanti, Zona Norte do Rio. Como hoje a deputada tem foro privilegiado, a investigação foi enviada na semana passada ao Ministério Público Federal. 

O deputado Marcus Vinícius diz, em nota, que, "em 2010, já prestou esclarecimentos sobre o caso" e que "os fatos narrados nessa denúncia anônima não foram comprovados". Sobre o áudio revelado pelo Fantástico, Marcus Vinícius afirma que "desconhece a gravação e que não pode se manifestar sobre o suposto material".

A assessoria de Cristiane Brasil diz que ela "não foi ouvida no inquérito e nega veementemente que teve contato com criminosos". Sobre a gravação em que constrange funcionários, a assessoria afirma que "embora não tenha obtido acesso ao conteúdo do aúdio, e desconhecer em quais circunstâncias foi gravado, a deputada jamais infringiu qualquer norma ética ou jurídica relacionada às eleições".

Durante três semanas, o Fantástico propôs aos assessores que a deputada ouvisse o áudio, mas ela não aceitou.

G1

O Congresso Nacional retoma as atividades nesta segunda-feira (5), com a votação da reforma da Previdência no centro dos debates. Ainda sem consenso entre os parlamentares, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016 é tratada como tema prioritário do ano pelo presidente da República, Michel Temer.

Na Câmara dos Deputados, a matéria está prevista para ser lida em plenário ainda nesta segunda-feira. Segundo o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, outro texto deve ser apresentado pelo relator da matéria, deputado Arthur Maia (PPS-BA). Em uma tentativa de aprovar a PEC, o parlamentar tem reunido novas contribuições ao texto de setores da sociedade ainda descontentes com a proposta.

Apesar dos esforços do Planalto, a votação marcada para o dia 19 deste mês, pode não acontecer nessa data. A pauta de apreciações do plenário é atribuição do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tem afirmado que somente colocará o tema em pauta quando tiver garantia dos votos necessários para aprovação. Segundo o ministro Carlos Marun ainda faltam entre 40 e 50 votos para alcançar os 308 votos favoráveis necessários, em dois turnos, para aprovação da proposta na Câmara. Para entrar em vigor, a medida também deve ser apreciada em dois turnos pelo Senado.

Solenidade

Regimentalmente previsto para sexta-feira (2), o início dos trabalhos do Congresso Nacional foi adiado pelo presidente da Casa, senador Eunício de Oliveira (PMDB-CE). A sessão solene do Congresso Nacional de abertura da legislatura está marcada para as 17h, no Plenário Ulysses Guimarães. O início do ano legislativo de 2018 será menos solene, já que, diferentemente dos anos ímpares, não haverá eleição dos presidentes da Câmara nem do Senado. Os chefes das duas Casas Legislativas são eleitos a cada dois anos, não podendo ser reeleitos exceto quando há mudança de uma legislatura para outra, a cada quatro anos.

Atualmente, o presidente do Senado é Eunício Oliveira, eleito em 2017 em substituição do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). A Câmara é comandada por Rodrigo Maia (DEM-RJ), que assumiu em julho de 2016 após a queda de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Operação Lava Jato.

Durante a sessão, como ocorre todos os anos, será lida uma mensagem encaminhada pelo Poder Executivo aos parlamentares, com os projetos e as expectativas consideradas prioritárias pelo governo federal em 2018. Caso o presidente Michel Temer não compareça ao evento, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, ou algum outro membro do governo poderá representá-lo.

Câmara dos Deputados

De acordo com o deputado Rodrigo Maia, além da reforma da Previdência, as prioridades da Casa são os projetos para a modernização da Lei de Licitações; do fim das desonerações sobre a folha de pagamento e da capitalização da Petrobras. Outras propostas ainda devem ser encaminhadas pelo Executivo, como a atualização da Lei de Falências e o novo marco regulatório do saneamento básico.

A privatização da Eletrobras, proposta liberada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, na sexta-feira (2) também está prevista para ser analisada. O ministro atendeu um pedido da Câmara dos Deputados ao entender que um juiz de primeiro grau usurpou a competência do Supremo ao analisar a legalidade da MP. No dia 11 de janeiro, o juiz da 6ª Vara Federal de Pernambuco, Cláudio Kitner, suspendeu parte da medida provisória editada pelo governo federal que inclui a Eletrobras e suas subsidiárias, como Furnas, Chesf, Eletronorte, Eletrosul e CGTEE, dentro do programa de privatização.

O fim foro privilegiado para autoridades nos casos de crimes comuns é outro assunto que também deve estar na pauta da Câmara. Em texto já aprovado pelo Senado, todas as autoridades e agentes públicos hoje beneficiados pelo foro responderão a processos na Justiça comum. As únicas exceções são os chefes dos Três Poderes da União - Executivo, Legislativo e Judiciário - e o vice-presidente da República.

Senado

A análise de medidas provisórias deve tomar muito tempo dos senadores nesse retorno ao trabalho. Até agora 22 MPs aguardam análise. Dessas, oito já tiveram as respectivas comissões mistas instaladas e outras duas já passaram por essa etapa e aguardam a deliberação da Câmara dos Deputados para serem remetidas ao Senado.

Na pauta há ainda 12 MPs que aguardam a instalação das comissões mistas. Uma delas é a MP 808/2017, que altera regras da reforma trabalhista, em vigor desde novembro do ano passado.

Há ainda a 808/2017 que altera pontos polêmicos da reforma trabalhista (Lei 13.467/2017). Entre as principais mudanças está a que trata dos trabalhos intermitente e autônomo previstos na nova legislação. A MP faz parte de um acordo firmado com parlamentares de sua base, para evitar que mudanças que os senadores queriam fazer, levasse o texto para mais uma votação na Câmara.

O tema promete discussões acaloradas. Os parlamentares apresentaram 967 emendas à medida provisória, que modifica 17 artigos da reforma. Entre as alterações propostas está a que determina que as grávidas e lactantes devam ser afastadas de atividades e locais de trabalho insalubres com ou sem apresentação de atestado médico, ao contrário do que determina a nova lei.

Agencia Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (4), que o Brasil ainda está longe de ser obrigado a reduzir valores ou cortar benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, mas que mudanças na legislação são necessárias para evitar que a Previdência quebre, como já ocorreu em outros países.

“Como sabemos, existem países que já tiveram dificuldades para pagar os benefícios e tiveram que sair cortando o valor das aposentadorias. Estamos longe disso e vamos tomar as medidas necessárias [para evitar que isso seja necessário]”, disse o ministro ao deixar o Palácio do Jaburu, em Brasília, onde se reuniu com o presidente Michel Temer e com o relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA).

De acordo com Meirelles, a reunião, às vésperas da volta dos deputados federais e senadores do recesso parlamentar, foi mais um dos tantos encontros da equipe de governo para planejar uma estratégia para conseguir aprovar, no Congresso Nacional, no menor espaço de tempo possível, as mudanças nas normas de aposentadoria. A previsão é que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera as atuais regras previdenciárias comece a ser apreciada em plenário no próximo dia 19.

“A ideia é aprovar o projeto como está hoje. Este é o ideal. Agora, estamos entrando na semana onde se começa a decidir de forma mais objetiva sobre os pontos de resistência. Vamos ver o que é possível fazer para termos uma reforma da Previdência que, de um lado, preserve uma maior equidade entre todos os brasileiros e, por outro, preserve a capacidade do Estado de garantir as aposentadorias no futuro”, declarou Meirelles.

Agencia Brasil

Depois do recesso parlamentar das sessões ordinárias na Câmara Municipal de Sobral, os trabalhos reiniciam hoje, as 17Hs. E logo na primeira sessão, os debates devem ser pesados. Vereadores da base do grupo de oposição deverão ocupar a tribuna da Casa no dia de hoje e na pauta, o assunto deverá ser o veto do Executivo de dois projetos de autoria dos vereadores Zezão (limitação da zona urbana de Sobral) e Adauto Arruda (ideologia de gênero). Um dos vereadores que deverá assumir a tribuna hoje será o vereador Sargento Ailton.

A para apimentar anda mais a sessão de hoje, está prevista a presença do prefeito Ivo Gomes, que dará boas vindas aos vereadores nos trabalhos deste ano. O presidente da Casa, vereador Paulo Vasconcelos, conversou com a nossa reportagem e disse que tudo está preparado para os trabalhos de logo mais, e falou que a ida do prefeito é de grande importância para este reinício: "A vinda do nosso prefeito e líder maior, vai proporcionar uma alegria muito grande e vai ainda abrir um momento para diálogo entre o chefe do Executivo e todos os vereadores interessados em conversar com ele. O Ivo Gomes é de fácil acesso e e tenho certeza que ele estará à disposição para conversar com os colegas vereadores, independente de que lado político pertença", explicou o presidente da Câmara, vereador Paulo Vasconcelos.

Os municípios de Senador Sá e Moraújo, localizadas na região do Sertão de Sobral, foram contemplados na noite desta sexta-feira (2) com uma série de investimentos a serem realizados pelo Governo do Ceará. As ações serão nas áreas do esporte, lazer, ação social e segurança. O anúncio foi feito pelo governador Camilo Santana durante evento nas duas cidades.

Em Senador Sá, o chefe do Executivo informou que irá construir um ginásio poliesportivo, uma brinquedopraça e um campinho society. Camilo Santana também afirmou que vai liberar recursos, através do Programa Sinalize, para o asfaltamento de ruas e implantação e melhoria da sinalização de trânsito vertical e horizontal. Na área da segurança pública, o município vai receber reforço no efetivo policial e nova viatura.

O governador destacou que o equilíbrio financeiro que o Ceará vive é fundamental para poder investir em melhorias nos municípios. “Todo mundo sabe da crise econômica que o Brasil está vivendo. Tem estado no Brasil que está com salários atrasados. Nós, aqui no Ceará, com trabalho, com equipe, com parceria, somos o estado que mais investe neste país. Isso significa que para fazer ginásios, escolas, estradas e concursos é preciso ter dinheiro”.

Natural de Senador Sá, a pedagoga Eliane Silva acredita que o conjunto de ações vai contribuir com mais qualidade de vida e segurança. “Com certeza vai ter uma melhoria muito grande. O aumento do policiamento já é uma segurança para a cidade. Com relação ao ginásio, ao invés do cidadão ir para a marginalidade ele vai se ocupar com o lazer”.

Acompanharam a comitiva do governador Camilo Santana prefeita de Senador Sá, Regina Vasconcelos, os deputados estaduais José Albuquerque, Sérgio Aguiar, Robério Monteiro e Gony Arruda, além do deputado federal Leônidas Cristino, entre outras lideranças políticas locais.

Moraújo
Em Moraújo, o governador Camilo Santana, acompanhado do prefeito do município, Carlos Aquila, anunciou obras importantes para diversas áreas da cidade.

Uma delas é a construção de uma ponte que liga a sede do município à zona rural e às cidades vizinhas. “Tínhamos dificuldade para passar pela ponte, principalmente quando chovia, o risco de acidentes também assusta bastante. Com a obra temos a certeza que a viagem será tranquila”, afirmou o comerciante Antônio Moreira.

Outras ordens de serviço também foram assinadas pelo governador, como a instalação de uma brinquedopraca e a construção de um campinho society. Ainda no palco ao lado de professores, o governador assegurou recursos para a reforma da Escola Huete Arruda, única Escola Estadual de Moraújo.

“Fico feliz em trazer tantos benefícios para Moraújo, campinho de futebol, brinquedopraça, asfalto para ruas do centro, e principalmente investir na educação, pois sei que só assim teremos um futuro melhor. Só a educação pode ensinar nossos jovens o caminho do respeito e do bem”, ressaltou Camilo.

Acompanharam o governador na agenda em Moraújo o deputado federal Leônidas Cristino, os deputados estaduais José Albuquerque, Robério Monteiro, Gony Arruda, e Sérgio Aguiar, além de prefeitos e lideranças da região.

Com informações do Governo do Estado

Publicidades

Usuários online

Temos 6912 visitantes e Nenhum membro online

Nossos vídeos