Capital e região

Capital e região (1419)

O mês de maio chegou com uma trégua no volume de chuvas em relação a abril no Ceará. As precipitações do mês passado, que registrou os melhores índices para o período desde o ano de 2009, contudo, devem garantir o abastecimento de água por mais um ano no Ceará, segundo o secretário de Recursos Hídricos do Estado, Francisco Teixeira. O secretário, no entanto, disse que a situação hídrica no Estado ainda é crítica.

Segundo Teixeira, apesar das intensas precipitações do mês passado, as recargas nos reservatórios cearenses não foram muito significativas, mas beneficiaram tanto o Interior quanto a Região Metropolitana de Fortaleza. De acordo com o secretário, antes do início da quadra chuvosa, no mês de janeiro, as reservas hídricas estavam em 7% e agora se encontram em 17%, o que representa cerca de 3,2 bilhões de metros cúbicos. O percentual, entretanto, fica bem abaixo da capacidade total de armazenamentos dos reservatórios cearenses – 18,7 bilhões de metros cúbicos.

O secretário de Recursos Hídricos do Estado ressalta que, até o início do mês passado, a expectativa era que 25 cidades cearenses enfrentassem problemas de abastecimento de água durante o ano, número que caiu para cinco após a boa quantidade de chuvas de abril. Sertão Central, Bacia do Açude Banabuiú, além dos municípios de Pereiro, Boa Viagem e Mombaça estão sendo monitorados com mais cuidado pela Secretaria, aponta Teixeira.

Cobrança de tarifa

Perguntado se com o novo prognóstico de abastecimento para este ano a tarifa de contingência, que visa a economia de água, iria ser retirada das contas dos cearenses, Teixeira disse que a tarifa deve ser mantida. O secretário destaca, mais uma vez, que o Ceará ainda passa por um quadro de situação crítica de escassez de água.

Ceará Agora

As obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC) receberam mais R$ 14 milhões do Ministério da Integração Nacional nesta semana. Os recursos federais serão aplicados na construção do trecho 1 do empreendimento, que levará as águas do Projeto de Integração do Rio São Francisco a 4,5 milhões de pessoas nas regiões do Cariri e de Fortaleza. Com a aceleração dos serviços do Eixo Norte do Projeto pelo Governo Federal, a expectativa é que o ‘Velho Chico’ chegue ao estado no mês de agosto.

O ministro da Integração Nacional, Pádua Andrade, destaca que o repasse financeiro é parte do pacote de medidas prioritárias da Pasta à região Nordeste. “É nosso compromisso levar as águas do Rio São Francisco a moradores desses estados que têm convivido com a maior seca dos últimos anos. O CAC será emblemático nesse processo, porque vai fazer com que o ‘Velho Chico’ abasteça as duas regiões mais populosas do Ceará”, afirma.

No último biênio (2016-2017), o Governo Federal destinou R$ 469,3 milhões ao Cinturão das Águas. O montante representa 83% a mais - quase o dobro - dos pagamentos realizados pela União no período anterior (2015-2014), que somaram R$ 256,2 milhões.

Benefício

As obras do Cinturão das Águas do Ceará estão sendo executadas pelo Governo do Estado com recursos federais. O trecho 1 do CAC possui 145 quilômetros de extensão e está dividido em cinco etapas. O empreendimento vai captar a água do Rio São Francisco na barragem Jati, do Eixo Norte do Projeto de Integração, conduzindo-a ao leito dos rios Salgado e Jaguaribe, até o reservatório Castanhão - maior açude do estado. O Castanhão é responsável pelo abastecimento da região metropolitana de Fortaleza.

Projeto São Francisco

As obras do Eixo Norte do Projeto São Francisco já estão 96% finalizadas e serão concluídas até o final deste ano. Na última sexta-feira (4), o Ministério da Integração Nacional emitiu ordem de serviço para o novo consórcio responsável pela etapa 1N do trecho. Mais de 1.200 profissionais estarão em campo nas próximas semanas para garantir que as águas do ‘Velho Chico’ cheguem ao Ceará até o mês de agosto. 

Com informações Ministério da Integração Nacional 

As exportações cearenses no período entre janeiro e abril de 2018 totalizaram US$ 639,2 milhões, um crescimento discreto de 3,3% em relação a 2017. No âmbito das importações, foi percebido um incremento de 6,4% no comparativo com o ano anterior, resultando em um total de compras do exterior de US$ 797,4 milhões. Como resultado desses movimentos de entradas e saídas de mercadorias do território cearense, o déficit da balança comercial local aumentou para US$ 158,2 milhões, um aumento de 20,9% na comparação com 2017. Os dados são do estudo Ceará em Comex, do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).

No mês de abril de 2018, as exportações atingiram a marca de US$ 150,1 milhões, o que representa um leve decréscimo de 1,4% em relação ao mês de março, mas um crescimento de 58,7% quando comparado ao mesmo período de 2017. As importações cearenses no mês foram de US$ 185,1 milhões, valor 10,3% maior que o mesmo período do ano anterior. Abril foi o mês de menor valor importado quando comparado com os outros meses ao longo de 2018.

No tocante à balança comercial do Nordeste, a participação das exportações cearenses no acumulado do ano foi de 11,95%, valor acima dos 11,54% registrados pelas importações. Em relação à participação na balança comercial brasileira, as vendas externas do Estado apresentaram queda, de 0,91% para 0,86%. As compras do exterior exibiram o mesmo comportamento, caindo de 1,60% para 1,47%.

O Ceará se posicionou como décimo quinto colocado no ranking dos estados exportadores brasileiros. Em termos de crescimento, no comparativo entre os quatro primeiros meses de 2018 e 2017, o Estado cresceu apenas 3,3% enquanto a média do crescimento nacional foi de 9,6.

O município de maior representatividade na pauta exportadora do estado é São Gonçalo do Amarante, com mais da metade do total das exportações cearenses (52%). A performance do município nas exportações do estado é reflexo principalmente da produção de placas de aço pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). Sobral, Fortaleza e Maracanaú seguem como municípios de maior destaque, com participação respectiva de 9,2%, 7,3% e 6,1%. Icapuí, na produção frutífera, aumentou suas vendas externas em mais de 700% entre 2017 e 2018.

Setor mais significativo das exportações cearenses, “Ferro fundido, ferro e aço” teve um total exportado de US$ 335milhões, o que equivale a 52,4% do total vendido para o exterior. Vale o destaque para o setor de “Frutas; cascas de frutos cítricos e de melões”, com um crescimento de 86,1% em relação à 2017.

Quanto aos produtos exportados, os itens exportados pela CSP, classificados como “outros produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado”, obtiveram um aumento de 5,8% em relação a 2017 e representam mais metade das vendas externas do Estado, totalizando US$ 322,5 milhões. “Melões frescos”, produto tradicional na pauta exportadora cearense nos últimos anos, voltou a exibir forte resultado, depois da estiagem de 2017, as exportações do setor subiram mais de 7 mil pontos percentuais, chegando à marca de US$ 20,2 milhões.

Principal comprador dos produtos cearenses nos últimos meses, os Estados Unidos mantiveram a liderança em abril e aumentaram sua participação no mercado exterior do estado, subindo de 23,3% para 24,1%, o que equivale a US$ 154,3 milhões, esse valor representa quase um quarto de tudo que o Ceará exporta. Turquia e México, fortes compradores do aço produzido na CSP, vem em seguida com US$ 64,4 milhões e US$ 51,4 milhões respectivamente. A Áustria surgiu, em abril, como o décimo maior destino das exportações cearenses, com US$ 19,8 milhões, um aumento bastante significativo, se comparado aos US$ 328,9 mil de 2017.

Verificando o ranking dos estados brasileiros importadores, o Ceará caiu uma posição em relação a 2017, alcançando a décima quarta posição em 2018. As importações do estado representaram 1,6% do total importado pelo país.

São Gonçalo do Amarante continua sendo o município com a maior participação (43%) no ranking dos municípios cearenses importadores, com um pequeno acrescimento de 0,2% nas compras externas em 2018 diante de 2017. Fortaleza, com um aumento de 7,4%, segue na segunda colocação no ranking, com uma participação de 18,1%. Ressalta-se ainda a cidade de Chorozinho, que em 2017 não realizava compras externamente e nesse ano, figura como o quinto maior município importador do estado, com um montante de US$ 32,1 milhões.

O setor de maior representação na pauta importadora cearense em 2018 é “Combustíveis e óleos minerais”, liderando com US$ 366 milhões, 13,9% acima do registrado no mesmo período do ano passado. Outros destaques dizem respeito aos elevados aumentos nas importações de “produtos químicos orgânicos”, que mais do que dobrou em relação à 2017, e aos produtos pertencentes ao setor de “aeronaves e aparelhos espaciais, e suas partes”, que exibiu nesse primeiro quadrimestre do ano, um aumento de mais de 24 mil pontos percentuais, saindo de US$ 54,2 mil para US$ 13,2 milhões.

Em relação as importações cearenses por produtos (NCM) de janeiro a abril de 2018, “Hulha betuminosa, não aglomerada” é o principal item importado pelo Estado, apesar de ter sofrido uma queda de 2,9%. Pode-se destacar, entretanto, aumento nas compras do exterior de outros itens, dos quais quatro dos dez principais produtos relacionados não haviam sido importados no mesmo período do ano anterior.

Em 2018, a China e a Colômbia alternam a liderança das origens das importações cearenses, a primeira com US$ 131,3 milhões, 13,89% maior do que em 2017, a segunda com 100,1 milhões. Trinidad e Tobago (1.641,6%) e Holanda (2.125,3%) foram os países que mais aumentaram suas exportações para o Ceará em 2018, o primeiro já ocupa a quarta posição nesse ranking.

O Centro Internacional de Negócios auxilia as empresas na inserção no mercado internacional, promovendo a cultura exportadora no Estado do Ceará. O CIN faz parte da Federação das Indústrias do Estado do Ceará - FIEC, que junto com Serviço Social da Indústria - SESI Ceará, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI Ceará e Instituto Euvaldo Lodi - IEL Ceará formam o Sistema FIEC.

Com informações da FIEC

As Unidades Integradas de Segurança (Unisegs), que vem sendo implantadas pelo Governo do Ceará em todo o Estado, foi uma das pautas do evento Technical Deep Dive on Planning Safe, Inclusive and Resilient Cities (em tradução livre, Programa de Imersão no Planejamento de Cidades Seguras, Inclusivas e Resilientes), ocorrido no Japão. O comandante da Uniseg 01, Capitão Messias Mendes; e o coordenador Especial de Políticas Públicas de Juventude da Prefeitura de Fortaleza, Júlio Brizzi, participaram do evento, que contou com delegações de vários países. O Estado cearense foi o único representante brasileiro a integrar a edição de 2018.

A iniciativa ocorreu nas cidades japonesas de Tóquio e Osaka, na última semana de abril, e teve objetivo de apresentar, conhecer e debater ações em torno dos problemas sociais de países emergentes, ou com economias em desenvolvimento. Um dos pontos abordados foi à temática da segurança pública, tendo como sede para a iniciativa, uma nação que utiliza do sistema de polícia comunitária, o Koban, e é vista como parâmetro para os demais povos do mundo quando se trata do assunto.

“O intuito das comitivas é expor trabalhos visando despertar o interesse do Banco Mundial em financiar projetos para esses países. Na oportunidade, nós apresentamos uma estratégia de enfrentamento à violência a partir de uma integração entre a Polícia Militar e Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude da Prefeitura de Fortaleza, que tem como foco, sobretudo, os jovens”, revelou Messias Mendes.

Ainda de acordo com o capitão, o projeto e as estratégias de segurança aplicadas às Unisegs, que visa à redução territorial, acompanhada da potencialização da presença policial e a integração de ações intersetoriais entre os órgãos públicos municipais, estaduais e federais, receberam congratulações do Banco Mundial. Além disso, o oficial da Polícia Militar foi o único policial presente no evento. “Isso chamou atenção porque mostra o interesse do Poder Público brasileiro de incluir a Polícia nesse processo de desenvolvimento das cidades, a partir de uma proposta de integração e resiliência. disse.

Agora, equipes do Banco Mundial visitarão o Ceará e conhecerão, in loco, o funcionamento das Unisegs. “Com isso, os representantes analisarão a viabilidade de patrocinar, por meio de estudos e pesquisas, o aperfeiçoamento sistemático do projeto”, finalizou o comandante.

UNISEG Sobral

Diante dos trabalhos de integração social e de combate ao crime, a Unidade da UNISEG no Município conseguiu reduzir, significativamente, os índices de crimes contra a vida. Só no mês de abril de 2018, o município de Sobral reduziu em 57,14% os índices dos crimes de homicídios, comparado ao mesmo período do ano anterior. Isso representa uma das maiores redução de homicídios já registrados no Ceará. 

Com informações da SSPDS

No primeiro trimestre de 2018, o Ceará exportou US$ 71,6 milhões em calçados, valor 3,7% menor do que o do mesmo período de 2017. Essa marca posiciona o estado como segundo maior exportador em dólares, porém maior em quantidade de pares, do Brasil. Já as importações exibiram um aumento de 73,4%, passando de US$ 2,4 milhões para US$ 4,2 milhões. Tal elevação está relacionada com a aquisição de componentes para a fabricação do produto final, como é o caso de partes superiores de calçados, obtidos principalmente da China. Vale destacar que, se tais itens forem utilizados no produto final a ser exportado, a indústria fica desobrigada a pagar os diversos impostos da aquisição destes componentes, através do regime especial conhecido como drawback, tornando assim as empresas mais competitivas.

Sob o âmbito dos produtos exportados, percebe-se que o item “Calçados de borracha ou plásticos, com parte superior em tiras ou correias”, assim como em fevereiro, continua liderando o ranking, com US$ 27,8 milhões. A Argentina ocupa a posição de principal destino das exportações cearenses de calçados apesar de apresentar queda de 22,9% em relação a 2017. A Hungria mais do que dobrou as suas compras do calçado cearense, chegando no acumulado de 2018, à US$ 2,4 milhões.

Ainda em relação a este segmento, quase 15% de tudo que é exportado pelo Ceará provém do setor de calçados. O segmento, que é o que mais gera empregos no Estado, foi também por muito tempo o líder em exportações. Os calçados perderam o posto de principal setor exportador do Ceará para o metal mecânico devido ao início das atividades da Companhia Siderúrgica do Pecém. Os dados são do estudo Ceará em Come, elaborado pelo Centro Internacional de Negócios (CIN) da FIEC.

Com informações da FIEC

Os 184 prefeitos do Ceará devem encaminhar ao Tribunal de Contas do Estado do Ceará, até dia 16 de maio, questionário devidamente preenchido sobre as áreas de educação, saúde, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, cidades protegidas e governança de tecnologia da informação.

Os resultados serão consolidados pelo TCE Ceará e servirão para apurar o Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM) relativo ao ano de 2017. O levantamento pontua de zero a um cada uma das sete áreas. Nos anos de 2015 e 2016 a média cearense manteve-se em 0,54.

Os questionários foram enviados aos e-mails cadastrados pelos prefeitos no sistema SimWeb. Este ano, a validação das respostas será feita in loco ou por meio de documentação por analistas do Tribunal.

Terceira edição
O trabalho, que está em sua terceira edição anual consecutiva, é realizado nacionalmente por meio de acordo de cooperação firmado entre o Instituto Rui Barbosa (IRB) e tribunais de contas do País. As informações servem de embasamento para ações que promovam o aprimoramento da gestão dos recursos públicos e o acompanhamento da efetiva execução de políticas públicas, tanto por parte dos gestores como também pelo Tribunal de Contas e pela sociedade.

E ainda
Em caso de dúvidas, é possível entrar em contato com a Gerência de Avaliação de Políticas Públicas do TCE, pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou telefone (85) 3218-6590. O resultado das edições anteriores do IEGM pode ser conferido no endereço: http://iegm.irbcontas.org.br

Política com K

A segunda turma de aprovados no concurso público da Polícia Civil do Ceará, realizado em 2015, vai concluir o curso de formação profissional na primeira quinzena do próximo mês de junho.

A informação foi dada pelo governador Camilo Santana, nesta terça-feira (8), durante o tradicional bate-papo com a população, em sua página no Facebook. Serão mais 650 policiais civis, entre delegados, inspetores e escrivães.

“A formação dessa turma que convoquei será na primeira quinzena de junho e imediatamente serão convocados para trabalhar nas delegacias dos municípios cearenses. Portanto, a partir de junho, teremos quase 650 novos policiais civis já atuando para garantir mais segurança para a população cearense”, destacou o chefe do Executivo.

Antes
O governador ressaltou, ainda, que a primeira turma do concurso, que já está atuando, formou 650 policiais, o que totaliza um reforço de cerca de 1.300 profissionais para a Polícia Civil. O governador aproveitou a ocasião para citar outros investimentos que o Ceará vem fazendo na segurança pública.

“A gente tem procurado fazer os investimentos necessários. Já contratamos quase 9 mil policiais. Os últimos 2.700 estão ainda na Academia de Segurança Pública. Estamos implantando o Batalhão do Raio em cidades do Interior e dobrando o número de equipes na Capital. Já estamos conseguindo alguns indicadores importantes. Os jornais anunciaram que reduzimos cerda de 40% o número de roubos e furtos no Centro de Fortaleza. Estamos prendendo mais, apreendendo mais armas, conseguimos reduzir o número de mortes nos últimos dois meses. Isso é fruto do aumento do efetivo da polícia, da compra de equipamentos”, disse.

Política com K

O Grupo de Trabalho (GT) de Segurança da Câmara dos Deputados vai dar prioridade para a tramitação de 15 projetos de lei, que preveem o combate à criminalidade. Entre eles, está o de autoria do deputado federal Cabo Sabino (AVANTE/CE), relator do Grupo, que modifica as leis que tratam de terrorismo, organização criminosa e crimes hediondos.

O projeto de lei pretende reformular o conceito, tipificação e pena de associação a organização criminosa, bem como qualificar como ato terrorista e crime hediondo qualquer ação praticada por organização ou facção criminosa.

O parlamentar cearense afirma que atos como chacinas e ameaças feitas pelas facções por meio de cartas físicas ou comunicados digitais, por exemplo, também serão classificados como terrorismo. Além disso, quem faz parte das organizações criminosas terá aumento da pena.

O autor da proposição diz que a matéria pretende criar um cadastro que identifique quem são os líderes e os filiados desses grupos. Além disso, o projeto prevê a perda, por parte dos criminosos, do direito às audiências de custódia, quando o acusado é apresentado diante de um juiz para decidir sobre sua prisão temporária.

“Além de ser enquadrado como terrorista, ele possa durar mais tempo dentro de um presídio, cumprir mais período de pena, e tenha mais dificuldade para ter o benefício aí do regime da progressão de pena”, ressalta.

Ainda de acordo com o parlamentar, o sistema prisional é o grande gargalo da segurança pública. Ele afirma que o regime de progressão da pena tem sido um grande problema para o país, já que traz uma sensação de impunidade.

Emenda
Sabino também chama atenção para a aprovação no Congresso Nacional, do PLN 04/2018, que diz respeito a emenda da bancada federal cearense, da qual é coordenador, para a Segurança Pública do Ceará, na ordem de R$ 20 milhões. “Pela primeira vez na história da Segurança Pública do Ceará, o estado receberá emenda de bancada dessa ordem. Essa é uma conquista para que as forças policiais possam ter mais condições para combater o crime organizado, que a cada dia assola o interior e a capital do Ceará”, comemora o deputado.

E ainda
Cabo Sabino explica que os R$ 20 milhões permitirão ao Estado aprimorar os equipamentos, comprando viaturas, motocicletas, armamento, colete balístico, munições, dentre outras necessidades. “Vai beneficiar tanto a Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros Militares, Perícia Florence, Agentes penitenciários, Guardas Municipais”, acrescenta Cabo Sabino.

Com informações do OE

Pela primeira vez, a Corregedoria-Geral da Justiça (CGJ) trabalha conjuntamente com o Ministério Público do Ceará (MPCE) na fiscalização dos serviços notariais e registrais dos cartórios de Fortaleza. A iniciativa foi realizada, na última quinta-feira (03/05), no cartório da 1ª Zona de Registro de Imóveis, localizado na avenida Antônio Sales, em Fortaleza. O objetivo é o aprimoramento e a garantia da regularidade e legalidade das atividades extrajudiciais.

“Essa parceria é uma conjunção de forças e integração interinstitucional importantíssima e agregadora. É uma soma de esforços fundamental que garantirá uma maior segurança jurídica ao cidadão e à sociedade”, disse o corregedor-geral da Justiça, desembargador Francisco Darival Beserra Primo.

Ele acrescentou que o trabalho conjunto se estenderá também aos cartórios das comarcas do Interior. “Queremos que a sociedade cearense tenha seus reclames resolvidos e seja bem atendida. Por isso, a iniciativa seguirá para as serventias de todo o Estado”.

Durante os trabalhos são verificados a qualidade dos serviços prestados, o atendimento ao público, a regularidade do uso dos selos, a segurança jurídica dos atos praticados, a correta obediência da Tabela de Emolumentos devidamente publicizada, a segurança física do acervo, a acessibilidade e as instalações do prédio. A fiscalização abrange ainda os lançamentos contábeis e os repasses tributários dos recursos ao Fundo de Reaparelhamento e Modernização do Poder Judiciário (Fermoju).

A Corregedoria-Geral é um órgão do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) que tem competência para fiscalizar, orientar e aprimorar os serviços judiciais e extrajudiciais prestados à população, bem como zelar pela regular conduta dos juízes e servidores.

Fonte: CGJ-CE

A iniciativa Primeira Infância no SUAS / Criança Feliz faz parte do Programa Mais Infância Ceará, idealizado pela primeira-dama Onélia Santana

O Primeira Infância no SUAS / Criança Feliz, ação do Programa Mais Infância Ceará, realizou 375.351 visitas domiciliares, atendendo mais de 250 mil crianças e cerca de 20 mil gestantes, em 182 municípios cearenses, abrangendo 99% do Estado. Os números foram apresentados na manhã desta segunda-feira (7), durante o Seminário Mais Infância Ceará / Primeira Infância no SUAS – Criança Feliz, no Hotel Praia Centro, em Fortaleza. Promovido pela Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e pelo Comitê Consultivo Intersetorial das Políticas de Desenvolvimento Infantil (CPDI), presidido pela primeira-dama do Ceará, Onélia Santana, o encontro reuniu representantes dos comitês municipais de Assistência Social, Saúde, Educação e Cultura de 182 cidades cearenses.

A Rede de Proteção à Infância, o Marco Legal da Primeira Infância e a importância da intersetorialidade para o sucesso de ações voltadas aos pequenos e suas famílias foram o foco do Seminário. “O nosso objetivo é garantir a todas as crianças o direito pleno à saúde, a educação, ao desenvolvimento infantil, de forma integrada”, destacou Onélia Santana, ao ressaltar a importância da parceria do Estado e dos Municípios no desenvolvimento do programa. “Precisamos contar com o envolvimento de todos, por isso convidamos a todos os representantes dos comitês municipais para que conheçam as diversas ações intersetoriais que o Estado tem disponível para que sejam ofertadas às crianças, às famílias, às comunidades quando das visitas domiciliares e identificação de alguma demanda, seja na área da saúde, da educação e do desenvolvimento infantil”, ressaltou a primeira-dama.

Protagonismo
Esses números de visitas e atendimentos domiciliares, destacou o titular da STDS, Francisco Ibiapina, são decorrentes do protagonismo do Ceará na implantação e gestão do Programa Mais Infância. “Esses números são resultados de um trabalho de alinhamento entre Estado e municípios. Somos pioneiros na execução de políticas que contemplam nossas crianças e vamos seguir formando técnicos e gestores comprometidos com esta política”, declarou Ibiapina lembrando que 1.509 profissionais já foram capacitados pela STDS em todo o Ceará para o desenvolvimento do programa, cuja meta inicial é cobrir 33 mil residências carentes.

“O Ceará tem de fato essa capacidade, habilidade e competência de ser protagonista neste programa. O Ceará é o Estado com o maior número proporcional de municípios, 182 de 184, que já aderiram ao Programa e o 1º em número de visitas domiciliares, 375.351”, ratificou a diretora do Criança Feliz, no Ministério de Desenvolvimento Social (MDS), Ely Harasawa. “Muito bom ver que aqui vocês já estão discutindo a intersetorialidade das ações, fazendo avaliações qualitativas, quando muitos estados ainda estão começando a fase quantitativa do Programas, acrescentou a diretora do MDS.

“A neurociência prova que a maior parte do desenvolvimento infantil acontece nos primeiros anos de vida, período em que o afeto deve ser desenvolvido entre mãe e filho. Nesse sentido nossas ações são voltadas para fortalecer essa relação que é tão importante para que nossas crianças se desenvolvam com saúde e prontas para enfrentar a vida adulta”, refletiu a assessora do Programa Mais Infância Ceará, Dagmar Soares, ao apresentar a conferência magna: Porque investir na infância, durante o Seminário.

“Nós que atuamos diretamente com o público do programa observamos um avanço na qualidade de vida das nossas crianças. Em Novo Oriente, nosso foco tem sido as visitas domiciliares e o fortalecimento do vínculo com as famílias, que são nossas principais parceiras nesta empreitada. Estamos construindo juntos uma rede de atendimento integrado para contemplar nossos pequenos”, refletiu a coordenadora do Programa Criança Feliz em Novo Oriente, Jéssica Alves.

Para a coordenadora do programa no município de Ocara, Ana Cláudia Santos, o Programa Criança Feliz fortaleceu a política da assistência social nos municípios cearenses. “Hoje, nós chegamos ao público de famílias com crianças entre zero e seis anos e conseguimos levar um atendimento integrado, principalmente com o apoio da secretaria de saúde, que tem sido uma grande aliada nesse processo das visitas domiciliares”, explicou a coordenadora.

Estiveram presentes no evento: Elpídio Nogueira, secretário municipal de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos; Henrique Javi, secretário de Saúde; Rogers Mendes; secretário de Educação; Luciene Rolim, secretária-executiva da STDS e Silvana Simões, coordenadora do Programa Criança Feliz no Ceará.

Primeira Infância no SUAS/Criança Feliz
Realizado em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Primeira Infância no SUAS/Criança Feliz promove o desenvolvimento integral infantil, a partir de visitações domiciliares e monitoramento de gestantes e de crianças de 0 a 3 anos, beneficiárias do Bolsa Família, e as de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Com informações do Governo do Ceará

Publicidades

Usuários online

Temos 1520 visitantes e Nenhum membro online