Capital e região

Capital e região (1068)

Terça, 21 Novembro 2017 09:24

Exportações cearenses crescem 70% em 2017

Escrito por

As exportações cearenses somaram, de janeiro a outubro de 2017, US$ 1,65 bilhão. O resultado é superior em 70% os US$ 973 milhões verificados em igual período do ano passado. Já as importações alcançaram o valor de US$ 1,94 bilhão no acumulado de janeiro a outubro, apresentando queda de 86,9 por cento quando comparadas com o mesmo período de 2016, quando foram registrados US$ 3,1 bilhões. O saldo da balança comercial do Ceará totalizou um déficit de 287,4 milhões de janeiro a outubro deste ano, menor do que o verificado no mesmo período de 2016 (US$ 2,19 bilhões). O déficit da balança comercial é o menor desde 2009, quando registrou o valor de US$ 142 milhões.

Em outubro de 2017, as exportações totalizaram US$ 187,4 milhões, alta de 2,7 por cento em comparação ao mês imediatamente anterior (US$ 182,5 milhões), mas em relação a outubro de 2016 registrou crescimento de 29 por cento. As importações de outubro de 2017 alcançaram US$ 197,7 milhões, apresentando queda de 7,7 por cento em relação ao mês anterior, mas ainda ficando acima da média do valor importado ao longo do ano. Relativamente a outubro de 2016, é possível observar um crescimento de 35,4 por cento. O saldo da balança comercial cearense no mês de outubro foi deficitário em US$ 10,2 milhões. Já a corrente de comércio exterior cearense foi de US$ 385 milhões, acima da média do ano, com incremento de 32 por cento em relação ao mesmo período de 2016.

Os números estão no Enfoque Econômico (nº 168) – Comércio Exterior Cearense/outubro de 2017, que acaba de ser disponibilizado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado do Ceará. O desempenho das exportações cearenses nos dez primeiros meses de 2017 representou 0,9 por cento do total da pauta nacional, acima, portanto, do percentual de participação verificado no mesmo período de 2016 (0,6 por cento). A participação do Ceará nas exportações nordestinas também subiu, passando de 9,2 por cento para 11,9 por cento no período analisado.

Com o movimento das exportações e importações, a corrente de comércio do Ceará, no acumulado de janeiro a outubro de 2017, alcançou o valor de US$ 3,59 bilhões, com redução de 13 por cento em relação ao mesmo período de 2016. Essa queda da corrente de comércio pode ser explicada, em parte, pelo aumento atípico das importações no ano de 2016. Na análise mensal, as exportações em outubro de 2017 corresponderam ao montante de US$ 187,4 milhões, registrando alta de 2,7 por cento em comparação ao mês imediatamente anterior. Em comparação a outubro de 2016 registrou crescimento de 29 por cento. O documento foi elaborado por Ana Cristina Lima Maia, assessora Técnica do Ipece e contou com a colaboração de Lilian de Sousa Pereira.

Segmentos

Ana Cristina explica que, no acumulado de janeiro a outubro de 2017, a pauta cearense continuou sendo liderada pelos produtos metalúrgicos, com US$ 837,5 milhões em vendas externas, o que representou 50,63 por cento do valor total exportado pelo Estado no período. Em 2016, a participação desse setor (janeiro a outubro) era de 9,65 por cento do total exportado. As exportações de Outros produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado, de seção transversal retangular, participaram com 96,4 por cento do total desse grupo. Calçados e sua partes ocuparam o segundo lugar, com valor de US$ 240,8 milhões, representando 14,56 por cento do total exportado no período. Em seguida, estão Couros e Peles, com US$ 106 milhões, Produtos da Indústria de Alimentos e Bebidas, com US$ 78,6 milhões, Castanha de caju, fresca ou seca, sem casa, com US$ 74,7 milhões.

No acumulado de janeiro a outubro de 2017, os cinco segmentos que lideraram a pauta de exportação representaram 80,89 por cento do total exportado pelo Ceará. Dos principais produtos da pauta no acumulado de janeiro a outubro de 2017, os produtos que apresentaram crescimento, comparado ao mesmo período de 2016, foram: Produtos metalúrgicos (791,9 por cento); Combustíveis minerais, óleos minerais; matérias betuminosas (67,1 por cento), Calçados e suas partes (9,33 por cento), Produtos da Indústria de Alimentos e Bebidas (7,5 por cento ) e Lagosta (5,5 por cento ). Enquanto que Couros e Peles (-16,3 por cento), Castanha de caju, fresca ou seca, sem casca (-11,4 por cento), Têxteis (-26,3 por cento) e Frutas (-56,8 por cento ), registraram queda.

No acumulado de 2017, as exportações cearenses foram realizadas principalmente pelo Porto do Pecém (64,85%), por onde escoaram 153 produtos diferentes, com destaque para: Outros produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado, de seção transversal retangular, Gás Natural Liquefeito, Castanha de caju, Alimentos, e Calçados e partes, dentre outros. Pelo Porto de Fortaleza (Mucuripe) (14,4%) foi exportado principalmente Couro e peles, Ceras Vegetais, Castanha de Caju, Barras de ferro ou aço não ligado, a quente, dentadas, e Calçados e partes, para citar apenas os mais relevantes. As exportações do Ceará também foram realizadas pelo Porto de Santos (5,79%), por onde foram enviados Calçados e partes; Granito, simplesmente talhados ou serrados; Castanha de caju e Ceras Vegetais. Pelo Porto de Salvador (3,2%) seguiram Sucos (sumo) de outras frutas, não fermentado, sem adição de açúcar; Couros e peles e Calçados e partes.

Ceará Agora

As inscrições para o processo seletivo do Colégio da Polícia Militar do Ceará General Edgard Facó, referente ao ano letivo de 2018, estão abertas até 23 de novembro. São 236 vagas para o Ensino Fundamental e Médio dentro dos limites de idade estabelecidos pelo Conselho Nacional de Educação e do Conselho Estadual de Educação do Ceará.

As inscrições são exclusivamente pela internet, no link www.paconcursos.com.br.

O valor da inscrição é de R$ 25,00, com pagamento por meio de boleto bancário, gerado juntamente com a ficha eletrônica de inscrição e as provas ocorrem no dia 10 de dezembro, em Fortaleza.

Com Informações G1-CE

O Governo do Ceará realizou ação histórica para beneficiar servidores das universidades estaduais.

Após reunião entre representantes do Governo Estadual e das instituições de Ensino Superior cearenses, foi enviada à Assembleia Legislativa mensagem que objetiva instituir o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV) do quadro de pessoal técnico administrativo da Fundação Universidade Estadual do Ceará (Funece), Fundação Universidade Regional do Cariri (Urca) e da Fundação Estadual Vale do Acaraú (UVA).

O documento foi assinado pelo governador Camilo Santana na última sexta-feira. Com a implementação do plano, os servidores passam a responder pelas titulações de auxiliar, analista ou assistente na da Gestão em Educação Superior, com devidas gratificações pelo desempenho funcional como também por aprimoramentos através de cursos de capacitação (pós-graduações).

Os profissionais serão, a partir da lei, vinculados à política contínua de valorização dos servidores públicos, a exemplo de outras categorias – Polícia Civil, Polícia Militar, Detran e Funceme. A nova legislação vai contemplar 881 servidores no ambiente acadêmico e vai gerar um acréscimo superior a R$ 8,2 milhões. Atualmente, há o investimento de cerca de R$ 37,2 milhões.

Reunião
Com a ausência do governador Camilo Santana, que está cumprindo agenda no exterior, o secretário da Casa Civil, Nelson Martins, foi o responsável por receber representantes das universidades estaduais para discutir o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos, antes de encaminhar a mensagem para a Assembleia Legislativa.

O secretário destaca que, além de estabelecer de fato um plano de cargos e carreiras, a lei amplia as possibilidades de crescimento e estimula todos os profissionais das instituições de ensino a buscarem mais capacitação e melhor desempenho. “Essa mensagem vai permitir que os servidores que hoje trabalham 30 horas semanais possam também optar por trabalhar 40 horas, representando melhoria de um terço no salário. Vai também estabelecer gratificação por especialização, mestrado e doutorado. Uma melhoria importante para servidores administrativos, conquista histórica”, afirma Nelson Martins.

Debate
Participaram do momento de esclarecimentos e debate acerca do documento os reitores de Uece, Urca e UVA, além de representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação e da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece). “A nossa esperança é que essa matéria seja aprovada o mais rápido possível. Por orientação do governador Camilo Santana e também da vice-governadora Izolda Cela, fizemos a reunião para juntar os reitores e os representantes do sindicato único das três universidades, apresentamos a eles a proposta e acertamos para que pudéssemos trabalhar com os nossos deputados e deputadas a votação da mensagem em breve”, finaliza o secretário.

Fundamental
O reitor da Universidade Estadual do Ceará, Jackson Sampaio, analisa que dois grandes eixos fazem essa mensagem governamental ter relevância histórica para a Educação no Estado. A primeira, por esta ser uma conquista do serviço público em meio à crise fiscal enfrentada pelo País. Em segundo, por proporcionar o direito de crescimento justo aos profissionais do Ensino Superior após mais de 23 anos.

“O Governo do Ceará está honrando aquilo que se deve fazer para melhorar a vida dos servidores técnico-administrativos, neste caso das universidades, que nem gratificação de titulação tinham, como os demais servidores do Estado. O atual PCCV é de 1994 e, como nunca houve concurso, todos nossos servidores basicamente são detentores de função pública e não de cargo. Tínhamos um plano que só funcionava com vencimento. Agora temos um plano de caráter acadêmico, moderno e ágil, para beneficiar o servidor da Educação”, afirma.

Política com K

O volume de água no Açude do Castanhão, no Ceará, responsável pelo abastecimento de água da região metropolitana de Fortaleza, onde vive quase metade da população do estado, atingiu o seu volume morto, quando o nível da água fica abaixo da captação normal. O reservatório tem capacidade para acumular 6,7 bilhões de metros cúbicos (m³) de água.

De acordo com o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), órgão responsável pela administração do açude, o volume morto foi alcançado no último dia 13. Nesse dia, “o Castanhão atingiu cota de 68,73, que corresponde ao volume de 228.599.505 m³, abaixo da cota 71, que corresponde ao início de seu volume morto”, informou o Dnocs.

A Comissão de Desenvolvimento Regional, Recursos Hídricos, Minas e Pesca da Assembleia Legislativa apresentou, nessa sexta-feira (17/11), o projeto “Poços de Produção: Água para produzir e beber”. A iniciativa é do presidente da Casa, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), e do deputado Carlos Matos (PSDB), presidente do Colegiado. Na oportunidade, foi assinado o protocolo entre Assembleia, Banco do Nordeste e demais instituições envolvidas.

O deputado Carlos Matos explicou que a iniciativa é fruto do relatório da Comissão Especial de Acompanhamento da Transposição de Águas do Rio São Francisco da AL e tem a meta de perfurar seis mil poços profundos no Ceará, para minimizar o colapso hídrico. “É uma inovação institucional. Com esse programa, somente no último ano, foram perfurados 4.200 poços. Mas temos demanda de pelo menos mais seis mil poços”, assinalou.

De acordo com o parlamentar, haverá aos interessados o acesso a crédito de R$ 100 milhões, do Banco do Nordeste. Ele também destacou o trabalho da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce), “que esteve atuante” e já cadastrou 2.600 interessados para a meta de seis mil. “Havendo engajamento de cada uma das regiões do Estado, iremos cumprir essa meta”, afirmou.

Os novos poços representariam um incremento de 25% no total perfurado, observou Carlos Matos. A estimativa é que, dos 40 mil poços existentes, somente 24 mil (60%) estejam ativos. Para participar, o produtor rural deve preencher uma ficha junto à Ematerce, que vai auxiliar com o preenchimento da autodeclaração de licença e obtenção da outorga de construção. Depois, a solicitação será avaliada pelo banco, que passará para a empresa responsável pela elaboração de projetos e, na sequência, para a formulação de estudo e orçamento pela responsável pela perfuração dos poços. Os recursos liberados terão juros de 2% ao ano, com três anos de carência e sete anos para a amortização do empréstimo, de acordo com o parlamentar.

Representando o Banco do Nordeste, Jeania Rogério Gomes explicou que a instituição tem várias linhas de financiamento para atender a todos que ainda não têm poços. “Creio que nesse programa haverá uma demanda mais qualificada e avançará mais rápido”, frisou.

O secretário executivo de Recursos Hídricos, Francisco Viana, disse que o programa nasce em uma boa hora, e que não deve parar com a chegada das chuvas de 2018. ”Ele é fundamental, mesmo nos anos com chuvas regulares”.

Com Informações Assembleia Legislativa Do Estado do Ceará

Ceará já registra 136 mortes por chikungunya até o último dia 11, de acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa). Fortaleza concentra o maior número de casos, com 105 mortes. O número de casos confirmados da doença chegou a 97.226 no Ceará, dos quais 56.641 em Fortaleza, o que representa 58% do total.

Além de Fortaleza, foram registradas mortes em por chikungunya em Caucaia (5), Itapajé (2), Mararanaú (3), Maranguape (3), Itatira (1), Aracati (3), Senador Pompeu (2), Jaguaretama (1), Morada Nova (1), Marco (1), Viçosa do Ceará (1), Acopiara (3), Piquet Carneiro (1), Beberibe (2) e Pacajus (1).

A doença provoca febre, dores nas articulações e pode causar até um novo tipo de reumatismo. De acordo com especialistas, existem quadros sem dor, dor leve, moderada e grave. Em 50% dos casos, elas se tornam crônicas.

Esse novo tipo de reumatismo é semelhante à artrite, cuja causa é a inflamação nas articulações e a infecção dos nervos, que leva à sensação de dormência. Além disso, ocorre inchaço porque o vírus também invade o sistema linfático.

Os mais acometidos pelos quadros crônicos e dolorosos são mulheres com doença aguda por mais de dez dias ou com mais de três semanas de dores articulares, pessoas que já tenham problemas articulares e diabetes.

Com informações do G1

A Justiça Federal no Ceará (JFCE) inaugurou a primeira usina solar fotovoltaica instalada em uma instituição judiciária, no País. O equipamento gerará, aproximadamente, 19.500 kWh/mês de energia limpa por mês, o equivalente a 100% do consumo das Subseções Judiciárias de Limoeiro do Norte, Quixadá e Tauá.

“Hoje, isso que há um ano e meio era um sonho, torna-se realidade. Por ocasião dos 50 anos, a Justiça Federal no Ceará, além de todo esse passado, de bons juízes que deu à sociedade cearense, dá hoje, como presente, o primeiro fórum com energia solar do Brasil”, celebrou o juiz federal diretor do Foro, Bruno Carrá.

A usina permitirá a economia de R$ 7,8 milhões aos cofres públicos, nos próximos 25 anos, e promoverá o fim da emissão de 20 mil kg de carbono por ano ao meio ambiente, além de economizar 789.043.800 litros de água anualmente. As instalações foram iniciadas no final de setembro e concluídas em um mês.

De acordo com o estudo “Logística de Energia 2015 – Redes e Fluxos do Território”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado do Ceará responde sozinho por 67,24% do total da potência solar outorgada no Brasil.

A JFCE pretende ampliar o sistema para as outras Subseções e ainda exportar a geração de energia limpa, com vistas a atender a 100% do consumo de todas as unidades na capital e no interior.

Com informações Assessoria de Comunicação Justiça Federal no Ceará 

Começaram a tramitar na Assembleia Legislativa dois projetos de autoria do Ministério Público que tratam da transformação da estrutura orgânica do órgão, promotorias de Justiça de Fortaleza, com alteração de atribuições.

Depois da leitura no Plenário, as matérias seguem para análise da Procuradoria da AL. Em seguida, para as comissões técnicas da Casa. Se aprovadas, serão encaminhadas para votação em Plenário. No caso do projeto de indicação, por se tratar de sugestão, cabe ao Governo, se acatar, enviar a proposta em forma de mensagem para apreciação da Casa.

Com Agência AL

O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), lançam, nesta sexta-feira, às 9 horas, no Palácio da Abolição, um pacote de obras de infraestrutura no valor de R$ 2 bilhões de reais. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), foi convidado para a solenidade.

Eunício cumpriu o papel de interlocutor de Camilo e Roberto junto ao Governo Federal para liberação dos recursos destinados às obras serem realizadas em 2018. São obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), urbanização de lagoas, ampliação de corredores de ônibus, construção de viadutos e novas unidades do Cuca.

As articulações entre Eunício, Camilo e Roberto Cláudio para a liberação dos recursos do governo federal e de empréstimos externos ser destravada começou no final do ano passado e se acelerou no primeiro semestre deste ano. O movimento de Eunício, Camilo e Roberto no campo administrativo abriu o diálogo político para a construção de uma aliança em 2018. Camilo é candidato à reeleição, e Eunício, ao Senado. A chapa poderá ter ainda o ex-governador Cid Gomes como candidato ao Senado.

Ceará Agora

O projeto São José III chega a mais quatro comunidades do Ceará, contemplando o município de Cascavel, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). As 203 famílias das comunidades de Alagadicinho, Brito II e Sítio Neves I e II comemoraram a assinatura da ordem de serviço para a implantação de sistemas de abastecimento de água.

O governador Camilo Santana foi representado pelo secretário Nelson Martins, chefe da Casa Civil, com a presença do secretário do Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira, na solenidade desta terça-feira (14), em Alagadicinho. Na comunidade Brito II, o Governo do Ceará investe R$ 551.560,52 e beneficia 74 famílias. Nas três outras comunidades, 129 famílias recebem um investimento de R$ 790.008,30.

Em seu discurso, Nelson Martins deixou clara a posição do governo quanto aos investimentos voltados para a população rural cearense. “Essas obras hídricas têm uma eficiência muito grande. O governador Camilo Santana tem um carinho especial pela área do desenvolvimento rural. Temos o projeto Água Para Todos, de R$ 220 milhões, o projeto Paulo Freire, de US$ 80 milhões e o São José, que dispõe de R$ 150 milhões para a etapa III e recentemente foi aprovado na Assembleia, mais R$ 150 milhões. Então, vamos continuar fazendo obras de abastecimento de água, de banheiros e de projetos produtivos”, destacou.

Dedé Teixeira citou a importância da autorização dos sistemas hídricos. “Esse é um compromisso importante do nosso governo. É garantia de obra de qualidade, desde a captação, tratamento, caixa d’água e distribuição em cada casa. Eu sou muito orgulhoso em ser secretário do Desenvolvimento Agrário desse governo”, concluiu.

Já a prefeita de Cascavel, Ivonete Queiroz, falou da grandiosidade do projeto para as comunidades locais e para todo o Ceará. “A importância de um projeto como esse transforma as nossas vidas. Eu estou aqui para agradecer imensamente ao governador Camilo Santana, porque ele vem se desdobrando para resolver a questão da universalização da água para os cearenses”, agradeceu.

Morador da comunidade de Brito II, Josivan Crispim da Silva, de 43 anos, acredita que a chegada da água nas torneiras vai mudar a realidade das famílias. “Tudo vai mudar com a chegada dessa água. Nós tínhamos dificuldade de acesso à água. Saíamos de manhã cedo, de carroça, para buscar água e voltávamos só ao meio-dia. Agora a água estará dentro das nossas casas. É muita alegria”, comemorou o agricultor.

Com informações da A.L

Publicidades

Usuários online

Temos 938 visitantes e Nenhum membro online